Imitation and Innovation in Fashion: Mapping the Creative Process in "Modinha" Segment on a Regional Fair

Thalita Silva Calíope, José Carlos Lázaro da Silva Filho

Abstract


Fashion is recognized by transience, resulting in its short life cycle, since the constant changes make what was previously considered "fashionable" obsolete (Emidio & Sabione, 2010). In this market, innovate and act before competitors, accelerate the launch of products, reduce design time and the placement of new items on the market is a survival condition (Lipovetsky, 2007). A central factor in the fashion spread is imitation, as this promotes both innovation and obsolescence, forcing producers to set up periodically (Caulkins et al., 2007, Pesendorfer, 1995). The research object is the "modinha", women's clothing that follows media trends, is the copying, with or without changes, to the mass market (Avelar, 2009; Victor, 2007), in this study, "José Avelino Street Fair". This fair meets weekly hundreds of manufacturers in a metropolis of northeastern Brazil that has been established as a fashion hub. Thus, it was proposed to identify the process of innovation in companies that make “modinha” in this Fair. The research was conducted through a survey and data were obtained from a questionnaire administered with 78 stallholders. One descriptive and exploratory data analysis was performed. It was found that, contrary to expectation, a considerable formality, with 49 of the 78 respondents with CNPJ; its customers are small retailers; and their competitors are the stallholders. Regarding the creation of clothes models, the stallholders research in various sources and said imitating models from these sources, but they try to make changes.

Keywords


Fashion; Innovation; Marketing; Creation by Imitation; Innovative Strategies; Marketing Management

References


ABIT. (2013). Relatório de Atividades ABIT 2013. São Paulo: ABIT.

ABID & UNICAMP. (2008). Relatório de acompanhamento setorial: têxtil e confecção - volume I.

Alvarez, F. & Favero, M. (2014). O comportamento das micro e pequenas empresas de moda nas redes sociais. Competência, 7(1): 115-128.

Alves, R. (2009). Moda e desenvolvimento local: reconversões culturais na criação e confecção do jeans em Toritama – Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural e Desenvolvimento Local), Departamento de Educação da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Andreoni, M. (2008). Estamparia têxtil: uma estratégia na diferenciação do produto da manufatura do vestuário de moda. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção), Instituto de Ciências Exatas da Universidade Paulista, São Paulo, São Paulo.

Araújo, A. & Amorim, E. (2002). Redes de subcontratação e trabalho a domicílio na indústria de confecção: um estudo na região de Campinas. Cadernos Pagu, (17): 267-310.

Avelar, S. (2009). Moda: globalização e novas tecnologias. São Paulo: Estação das Letras e Cores.

Banco do Brasil. (2015). Microcrédito Produtivo Orientado do BB: a solução para o crescimento dos seus negócios. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2015.

Banco do Nordeste. (2015). Crediamigo: apresentação. Disponível em: < http://www.bnb.gov.br/33>. Acesso em: 2 fev. 2015.

Bauer, M. & Gaskell, G. (2011). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Batista, A. (2013). Efeitos da exposição ao ruído na saúde dos trabalhadores de uma feira no município de Fortaleza – CE. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Ceará.

Bittencourt, P. (2011). A tecnologia nos processos de desenvolvimento de produto e na produção das micro e pequenas empresas de confecção do vestuário de Porto Alegre-RS e Sombrio-SC. Dissertação (Mestrado em Design), Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Brito, M. & Bernardes, R. (2005). Simples aglomerados ou sistemas produtivos inovadores? Limites e possibilidades para a indústria do vestuário na metrópole paulista. São Paulo em Perspectiva, 19(2): 71-85.

Bruce, M. & Daly, L. (2006). Buyer behaviour for fast fashion. Journal of Fashion Marketing and Management, 10(3): 329-344.

Carvalho, M. & Serra, N. (1999). Fontes de inovação: a cadeia têxtil paulista. Artigo apresentado no XIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Rio de Janeiro, Brasil.

Carvalho, G., Wendland,S. & Mota, A. (2007). O impacto da feira hippie no setor turístico-hoteleiro de Goiânia. Boletim Goiano de Geografia, 27(3): 29-48.

Caulkins, P., Hartl, R., Kort, P. & Feichtinger, G., (2007), Explaining fashion cycles: imitators chasing innovators in product space. Journal of Economic Dynamics & Control, 31: 1535-1556.

Chaves, R. (2012). Cidade Ambulante. Revista Universidade Pública, (66): 32-35.

Chizzotti, A. (2011). Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes.

Cleps, G. (2009). Comércio informal e produção do espaço urbano em Uberlândia (MG). Sociedade e Natureza, 21(3): 327-339.

Cobra, M. (2005). Marketing & moda. São Paulo: Editora Senac São Paulo; Cobra Editora & Marketing.

Collis, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman.

Costa, A. & Rocha, E. (2009). Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão da inovação. BNDES Setorial, (29): 159-202.

Cooper, D. & Schindler, P. (2011). Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Cordeiro, A., Batista, M., Silva, M. & Pereira, G. (2013). Consumidora consciente?! Paradoxos do discurso do consumo sustentável de moda. Revista Brasileira de Marketing, 12(3): 01-22.

Creswell, J. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cunha, M. (2013). Inovação no setor de confecções do vestuário: uma análise das características das indústrias de Divinopólis-MG. Dissertação (Mestrado em Administração), Instituto de Educação Continuada e Pesquisa do Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Dantas, G. (2008). Feiras no Nordeste. Mercator - Revista de Geografia da UFC, 7(13): 87-101.

Damanpour, F. & Wischnevsky, J. (2006). Research on innovation in organizations: distinguishing innovation-generating from innovation-adopting organizations. Journal of Engineering Technology Management, 23: 269-291.

Deschamps, J. & Nayak, P. (1995). Product juggernauts: how companies mobilize to generate a stream of market winners. Massachusetts: Harvard Business School Press.

Emídio, L. & Sabioni, M. (2010). O private label e seu estímulo à cópia na indústria de confecção de vestuário: uma reflexão a partir de um estudo de caso. Projética, 1(1): 68-81.

Freeman, C. & Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. São Paulo: Editora da Unicamp.

Feghali, M. (2008). Batendo Perna: forças que influenciam o comportamento do consumidor de moda. In Feghali, M. & Schmid, E. O ciclo da moda. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio.

Garcia, R., Motta, F., Scur, G., Lupatini, M. & Cruz-Moreira, J. (2005). Esforços inovativos de empresas no Brasil: uma análise das indústrias têxtil-vestuário, calçados, móveis e cerâmica. São Paulo em Perspectiva, 19(2): 60-70.

Gomes, S. (2012). Do comércio de retalhos à feira da sulanca: uma inserção de migrantes em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Hemphill, C. & Suk, J. (2009). The law, culture, and economics of fashion, discussion paper n˚ 627, The John M. Olin Center for Law, Economics and Business – Harvard Law School, Estados Unidos.

Holanda, P. (2015). Feira da Rua José Avelino deve ser transferida até 2015. Diário do Nordeste, Fortaleza, 2 out. 2014. Cidade. Disponível em: < http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/cidade/feira-da-rua-jose-avelino-deve-ser-transferida-ate-2015-1.1140810>. Acesso em: 10 jan. 2015.

IPEAD. (2011). Relatório do projeto diagnóstico situacional de cadeias produtivas de Belo Horizonte – cadeia produtiva do vestuário 2011. Belo Horizonte: IPEAD.

Jacob, K., Tavares, B., Silva, E. & Antonialli, L. (2014). Abordagens da estratégia inovativa de imitação (cópia) na indústria de vestuário. Sistemas & Gestão, (9), 156-166.

Kitamura, C., Miranda, M. & Ribeiro Filho, V. (2007). O comércio e serviços ambulantes: uma discussão. Caminhos de Geografia, 8(23): 20-26.

Leães, S. (2008). Marketing em moda. Dissertação (Mestrado em Design e Marketing), Escola de Engenharia da Universidade do Minho, Guimarães, Minho.

Leocádio, L., Ferraz, S. & Maia, B. (2005). Fundamentos competitivos e terceirização em grandes indústrias cearenses de confecção. Artigo apresentado no VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo, Brasil.

Lipovetsky, G. (1989). O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lopes, H. (2012). Chafurdo das cópias: histórias da moda com bandidos e mocinhas, nobres e plebeus. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais), Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás.

Lopes, H. & Matos, C. (2013). Aspectos sociais dos objetos copiados do mercado informal de fortaleza: as feiras livres das proximidades da igreja da Sé. Artigo apresentado no VI Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual, Goiânia, Brasil.

Lübeck, R., Wittmann, M. & Silva, M. (2012). Afinal, quais variáveis caracterizam a existência de cluster arranjos produtivos locais (APLs) e dos sistemas locais de produção e inovação (SLPIs)? Revista Ibero-Americana de Estratégia, 11(1): 120-151.

Macedo, A. & Bataglia, W. (2012). A relação entre ambiente organizacional e imitação entre empresas. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 10(2): 229-253.

Maluf, E. & Kolbe, W. (2003). Dados Técnicos para a Industria Têxtil. São Paulo: IPT e ABIT.

Martins, F. (2003). Estratégias competitivas e inovação na indústria do vestuário: um estudo exploratório em empresas do RGS. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração), Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Matos, T., Maciel, R., Maia, L., Fontenelle, M. & Santos, J. (2011). Feiras de roupas em Fortaleza: relação entre redes sociais e trabalho informal. Artigo apresentado no XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais, Salvador, Brasil.

May, T. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed.

MDIC & IEL. (2005). O futuro da indústria têxtil e de confecções: vestuário de malha. Brasília: MDIC/STI e IEL/NC.

Melo, M. (2000). Reflexões sobre aprendizado e inovação local na indústria de confecções do Nordeste. Revista de Ciência e Tecnologia, 4(1): 117-143.

Messias, E. (2012). As lojas populares e a comercialização da elegância. Artigo apresentado no II Seminário Internacional de Estudos e Pesquisas em Consumo, São Paulo, Brasil.

Miranda, G. (2009). A feira na cidade: limites e potencialidades de uma interface urbana nas feiras de Caruaru (PE) e Campina Grande (PB). Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano), Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Nascimento, V. (2013). Estudo sobre inserção e permanência do trabalhador informal em uma feira de confecção. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Ceará.

Niosi, J. (2012). Innovation and development through imitation. Artigo apresentado no XIV International Schumpeter Society Conference, Brisbane, Austrália.

Noronha, E. & Turchi, L. (2007). O pulo do gato da pequena indústria precária. Tempo Social, 19(1): 249-280.

Nunes, R. (2001). Sujeito não identificado: análise da construção da identidade de marca em anúncios de moda. Artigo apresentado no XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação, Campo Grande, Brasil.

Oliveira, P. & Epaminondas, M. (2014). Conhecimento, inovação e estratégia competitiva: um estudo no setor atacadista da moda. Revista Eletrônica de Estratégia e Negócios, 7(1): 82-104.

Pinheiro, D. & Araújo, F. (2006). Gosto e inovação na indústria de vestuário. Revista Ciências Administrativas, 12(1): 76-82.

Pesendorfer, W. (1995). Design innovation and fashion cycles. The American Economic Review, 85(4): 771-792.

Provenzano, C. (2014). Moda, inovação e sustentabilidade: estudo de casos múltiplos. Dissertação (Mestrado em Administração), Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Rangel, F. (2014). As novas faces da informalidade: trabalho e empreendedorismo no comércio transnacional informal. Artigo apresentado no XIII Congresso Chileno de Sociología, La Serena, Chile.

Raustiala, K. & Sprigman, C. (2006). The piracy paradox: innovation and intellectual property in fashion design. Virginia Law Review, 92: 1687-1777.

Robic, A. & Frederico, E. (2008). Fast fashion: um estudo das bases teóricas. Artigo apresentado no IV Colóquio de Moda, Novo Hamburgo, Brasil.

Rodrigues, J. (2014). Feira de Aprazível em Sobral cumpre roteiro por municípios. Diário do Nordeste, Fortaleza, 23 mar 2014. Regional. Disponível em: < http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/regional/feira-de-aprazivel-em-sobral-cumpre-roteiro-por-municipios-1.875975 >. Acesso em: 10 jan. 2015.

Rüthschilling, A. (2009). Design de vestuário de moda contemporânea: criação versus produção. Dissertação (Mestrado em Design e Marketing), Escola de Engenharia da Universidade do Minho, Guimarães, Minho.

Rybalowski, T. (2008). Detalhes tão pequenos: a importância dos aviamentos e acabamentos na construção dos valores extrínsecos e intrínsecos do produto de moda. In Feghali, M. & Schmid, E. O ciclo da moda. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio.

Sampieri, R., Collado, C. & Lucio, P. (2013). Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill.

SEBRAE. (2015). Entenda as distinções entre microempresa, pequena empresa e MEI. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2015.

Santos, M. & Silva, E. (2013). Economia urbana no centro de Fortaleza: os circuitos superior e inferior como agentes construtores do espaço urbano. Artigo apresentado no XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana, Rio de Janeiro, Brasil.

Santos, M., Silva, E. & Silva, J. (2011). Dinâmica socioeconômica e a formação de territórios no centro de Fortaleza-CE: o Beco da Poeira e a Feira da Sé. Revista Geográfica de América Central, 2, 1-13. Edição especial.

Sato, L. (2007). Processos cotidianos de organização do trabalho na feira livre. Psicologia & Sociedade, 19(1): 95-102.

Silva, S. (2012). Os agentes invisíveis do território usado: o circuito espacial de produção do vestuário em São Paulo. Boletim Campineiro de Geografia, 2(3): 418-435.

Souza, L. (2013). A cópia no universo da moda. Artigo apresentado no II Congresso Internacional de Negócios da Moda, Rio de Janeiro, Brasil. Sproles, G. (1974). Fashion Theory: a conceptual framework. Advances in Consumer Research, 1: 463-472.

Sproles, G. (1981). Analyzing fashion life cycles: principles and perspectives. Journal of Marketing, 45(4): 116-124.

Tiwari, S. (2014). Intellectual property rights protection of fashion design in India. Diponível em: . Acesso em: 10 jan. 2015.

Toniatti, M. (2008). Espaço público: território de ninguém. O Povo, Fortaleza, 28 abril 2008. Disponível em: < http://www.opovo.com.br/app/opovo/fortaleza/2008/04/28/noticiasjornalfortaleza,784547/espaco-publico-territorio-br-de-ninguem.shtml>. Acesso em: 10 jan. 2015.

Treptow, D. (2013). Inventando moda: planejamento de coleção. São Paulo: Edição da Autora.

Valdani, E. & Arbore, A. (2007). Strategies of imitation: an insight. Problems and Perspectives in Management, 5(3): 198-205.

Velho, B. (2000). A moda brasileira e a telenovela: um estudo exploratório. Dissertação (Mestrado em Administração), Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Victor, D. (2007). Terceirização no setor de confecções: relação de trabalho na percepção do terceirizado. Artigo apresentado no II Encuentro Latinoamericano de Diseño, Palermo, Argentina.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Int. J. Innov. e-ISSN: 2318-9975

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

 Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.