Analysis of the Organizational Structure of Enterprises of Technological Basis With Projects Without Incubators

Marcela Gimenes Bera Oshita, Juliane Andressa Pavão, Iasmini Magnes Turci Borges

Abstract


The contingency theory assumes that the structure of the organization involves environment, people, technologies and administrative techniques for achieving the objectives of the company, which must comply with the contingent factors and the environment in which it is inserted. Being that, by the evolution of technology companies must be innovative from an organic structure. Thus, the incubated companies have innovative feature, this way: how is the organizational structure of enterprises of technological basis with projects in incubators? This research aims to asses and classify the organizational structure of enterprises of technological basis with projects in incubators in the State of Paraná. To achieve this goal it carried out a literature review on the contingency theory. Afterwards it was applied the questionnaire with companies incubated in that sought to identify their organizational structure Trough the applied methodology was found that, in General, incubated companies presented some mechanistic designs features with command-based rules and procedures in that only one person takes the decision, which way be the reflection of a technological breakthrough in which companies migrate to a mechanistic designs structure for organic , as well as in the results of Joan Woodward (1958), in which the occurrence of technological advancement, companies use the mechanistic designs structure, changing later to organic.


Keywords


Innovation; Enterprises of Technological; Technology companies; Technologies

Full Text:

PDF

References


ANPROTEC. (2015). Histórico do setor de incubação de empresas no Brasil e no mundo. Disponível em . Recuperado em 31 Mar. 2015.

Calia, R. C.; & Guerrini, F. M. (2006). Estrutura organizacional para a difusão da produção mais limpa: uma contribuição da metodologia seis sigma na constituição de redes intra-organizacionais. Gestão & Produção, 13(3), 531-543.

Cervo, A. L.; & Bervian, P. A. (1996). Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo: MCCRAW-HILL do Brasil.

Chiavenato, I. (1979). Novas abordagens na teoria administrativa. Revista de Administração de Empresas, 19(2), 27-42.

Chiavenato, I. (2000). Introdução à Teoria Geral da Administração: Teoria da

Contingência. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus.

Chiavenato, I. (2004). Introdução a Teoria Geral da Administração. São Paulo: Elsevier.

Donaldson, L. (2001). The contingency theory of organization. Thousand Oaks: Sage.

Fagundes, J.A.; Petri, M.; Lavarda, R. B.; Rodrigues, M. R.; Lavarda, C.E.F.; & Soller, C.C. (2010). Estrutura organizacional e gestão sob a ótica Da teoria da contingência. Gestão & Regionalidade, 26(78). set-dez.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35 (3), 20-29.

Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência. 2010. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil.

Lawrence, P. R.; & Lorsch, J. W. (1967). Differentiation and Integration in Complex Organizations. Administrative Science Quarterly, 12(1) Jun. 1967. Disponível em Recuperado em 27 fev. 2015.

Molinari, S. K. R.; & Guerreiro, R. (2004). Teoria da contingência e contabilidadegerencial: um estudo de caso sobre o processo de mudança na controladoria no Banco do Brasil. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4., 2004, São Paulo. Anais…São Paulo: FEA/USP.

Morgan, G. (2006). Imagens das Organizações. Tradução: GOLDSCHMIDT, G.G. São Paulo: Atlas

Muecke, S. (2004). Contingency theory. Interventions: The International Journal Of Postcolonial Studies, 6(2), 201-215.

Pereira, D. S.; Rodrigues, M. R.; & Gessi, N. L. Teoria contingencial: uma abordagem teórica sobre sua evolução. V Simpósio Ibero-americano en Comercio Internacional, Desarrollo e Integración Regional, realizado na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – INIJUI, Santa Rosa Brasil, 2012. Disponível em Recuperado em 23 fev. 2015.

Sanches, P. L. B.; & Machado, A. G. C. (2013). Estratégias de Inovação de RBV: Evidências Em Uma Empresa de Base Tecnológica. Revista de Administração e Inovação, 10(4), 183-207, Out/Dez.

Scheffel, F. R.; Cunha, A.S.; & Lima, M.A. (2012). Teoria da Contingência Estrutural: as mudanças estratégicas ocorridas de 2000 a 2010 em uma empresa do setor elétrico. Interface, 9(1), 40-53.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez.

Silva, M. Z.; Scarpin, J. E.; Rocha, W.; & Domenico, D. (2014). Fatores contingenciais que contribuem para a decisão de modificação do sistema de custeio: estudo de caso em uma indústria moageira. Revista de Administração, 49(2), 267-279, abr./maio/jun.

Silva, R. O. (2005). Teorias da Administração. São Paulo: Pioneira-Thomson.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Int. J. Innov. e-ISSN: 2318-9975

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional