Estratégias de Financiamento à Inovação em Empresas de Base Tecnológica: considerações a partir de um caso da Incubadora da Universidade Estadual de Londrina

Rosinéia Farias, Saulo Fabiano Amâncio-Vieira, Marcia Regina Gabardo da Câmara, Ricardo Lebbos Favoreto, Vanderlei José Sereia

Abstract


A inovação pode ser entendida como uma ferramenta que visa o desenvolvimento organizacional e da social. Empresas de base tecnológica são fundamentais, uma vez que geram oportunidades de negócios e contribuem para o desenvolvimento tecnológico nacional. O objetivo deste artigo é analisar as estratégias de financiamento da inovação utilizadas por uma empresa desenvolvedora de software. Para tanto, fundamentou-se o trabalho abordando os temas inovação, financiamento da inovação e empresas de base tecnológica. A pesquisa é de caráter qualitativo, descritivo e exploratório, desenvolvida por meio de estudo de caso. Procura-se identificar, registrar e interpretar as estratégias de financiamento utilizadas pela empresa, que ficou incubada na Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da Universidade Estadual de Londrina (INTUEL) e contou com a estrutura e os recursos governamentais para financiar seus projetos em suas origens. Atualmente, como empresa graduada, mantém parcerias com instituições de ensino e projetos financiados por agências de fomento. Suas inovações são financiadas, em sua maioria, por recursos provenientes de editais de agências de fomento, como a Finep e o CNPq, pelos quais já foi beneficiada em oito diferentes projetos submetidos. O estudo conclui pela relevância das escolhas estratégicas de financiamento de crescimento, cujo sucesso decorre da experiência acumulada na incubadora e do perfil dos fundadores.

Keywords


Inovação tecnológica; Financiamento à Inovação; Empresas de Base Tecnológica; Incubadoras de Empresas

References


Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). (2002). Histórico do setor de incubação de empresas no Brasil e no mundo. Recuperado em 4 maio, 2009, de .

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC); Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2002). Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Brasília, 124 pp.

Barbieri, J. C., & Álvares, A. C. T. (2003). Inovações nas Organizações Empresariais. In Barbieri, J. C. Organizações inovadoras: estudos de casos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Cajueiro, J. L. G., & Sicsú, A. B. (2002, outubro). Incubadoras de empresas como mecanismo de introdução à inovação tecnológica. Anais do XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Curitiba, PR, Brasil.

Cassiolato, J. E., & Lastres, H. M. M. (2004). O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In Lastres, H. M. M., & Cassiolato, J. E. (Orgs.). Arranjos produtivos locais: uma nova estratégia de ação para o Sebrae. Rio de Janeiro: RedeSist.

Corder, S. M. (2004). Financiamento e Incentivos ao Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: quadro atual e perspectivas. Tese de Doutorado, Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Edquist, C. (1997). Systems of Innovation – Technologies, Institutions and Organizations. New York: Pinter.

Ferro, J. R., & Torkomian, A. L. V. (1988). A criação de pequenas empresas de alta tecnologia. Revista de Administração de Empresas, 28(2), 43-50.

Foray, D., & Lundvall, B. (1996). The knowledge-based economy: from the economics of knowledge to the learning economy, DRUID Conference, Aalborg.

Freeman, C. (1974). The Economics of Industrial Innovation. London: Pinter.

Freeman, C., & Perez, C. (1988). Structural crisis and adjustment, business cycles and investment behavior. In Dosi, G., Freeman, C., Nelson, R., Silverberg, G., & Soete, L. (Eds). Technical change and economic theory (cap. 3, pp. 38-66). London: Pinter.

Gonçalves, E. (2002). Financiamento de empresas de base tecnológica: algumas evidências da experiência brasileira. Revista Econômica do Nordeste, 33(1), 49-70.

Guirro, A. B. (2004). Modelo de gestão de uma incubadora de base tecnológica: o estudo de caso da INTUEL incubadora de empresas de base tecnológica da Universidade Estadual de Londrina. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Instituto Nacional de Empreendedorismo e Inovação (INEI). (n. d.). Recuperado em 16 maio , 2009, de .

Kerr, W., Lerner, J., & Schoar, A. (2010). The consequences of entrepreneurial finance: a regression discontinuity analysis. NBER Working Paper. Harvard Business School.

Kerr, W., & Nanda, R. (2009). Financing constraints and entrepreneurship. Working Paper10-013. Harvard Business School.

Krücken, L., Costa, M. D., & Bolzan, A. (2002). Gestão do conhecimento aplicada ao desenvolvimento de novos produtos. Revista Inteligência Empresarial, 12, 48-56.

Machado, S. A. et al. (2001). MPEs de base tecnológica: conceituação, formas de financiamento e análise de casos brasileiros. São Paulo: SEBRAE. IPT.

Malerba, F. (1992). Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, 102, 845-859.

Minayo, M. C. S. (2010). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Pereira, R. C. S. (2007). Os instrumentos de financiamento às empresas de base tecnológica no Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Rosenthal, D., & Meira, S. (1995). Os Primeiros 15 anos da Política Nacional de Informática: O Paradigma e sua Implementação. Recife: ProTeM-CC.

Schmitt, D., Junior. (2002). Financiamento das pequenas e médias empresas: aspectos da decisão empresarial e o instrumento de capital de risco. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Schons, C. H., & Ribeiro, A. C. (2008). O perfil dos empreendedores de pequenas empresas de base tecnológica: caracterização e principais desafios frente às exigências do mercado. Recuperado em 3 abril, 2009, de .

Serra, F. A. R. (2008). A inovação numa empresa de base tecnológica: o caso da Nexxera. Journal of Technology Management & Innovation [online], 3(3), 129-141.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2009). Diferenciais para o sucesso de sua empresa. Recuperado em 3 maio, 2009, de .

Triviños, A. N. S. (2007). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Valério, A., Netto. (2006). Gestão de pequenas e médias empresas de base tecnológica. Barueri: Minha Editora.

Vergara, S. C. (2004). Projetos de pesquisa e administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, K. P. (2008). Financiamento e Apoio à Inovação no Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Int. J. Innov. e-ISSN: 2318-9975

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional